EUA financiaram Lava Jato para fechar as refinarias de petróleo no Brasil - O Cafezinho

O Cafezinho

quarta-feira

9

agosto 2017

57

COMENTÁRIOS

EUA financiaram Lava Jato para fechar as refinarias de petróleo no Brasil

Escrito por , Postado em Redação



Quero lembrar, mais uma vez, a palestra proferida por Sergio Moro, em agosto de 2015, para um bando de executivos que pagaram R$ 1.800,00 para ouvi-lo falar sobre… refinarias de petróleo.

Ele afirmava que a refinaria Abreu e Lima, assim como outras obras similares, era muito onerosa. Moro conta que os “colaboradores” lhe haviam dito que a informação que corria nos corredores da Petrobrás é que a refinaria “não se pagava”.

Esqueçam estudos e estatísticas. O que vale é o que Sergio Moro ouviu de um “colaborador” da Lava Jato.

Bem, vamos às estatísticas.

Os Estados Unidos voltaram a ser, nos últimos anos, os principais exportadores mundiais de petróleo refinado. As guerras no oriente médio, que deu às suas refinarias o controle de vastas reservas, certamente foi o fato determinante para isso.

Como todo grande exportador de manufaturados, os EUA precisam de mercados em expansão. E o seu principal mercado, além de México e Canadá, que integram o bloco comercial liderado pelos próprios EUA, é o Brasil.

De 2010 a 2014, as exportações americanas de derivados de petróleo (Petroleum products) dobraram: passaram de US$ 61 bilhões em 2010 para US$ 120 bilhões em 2013 e US$ 119 bilhões em 2014, segundo o governo americano.

Em apenas cinco anos, de 2010 a 2014, as exportações de derivados de petróleo dos EUA geraram US$ 512 bilhões em divisas, o que daria, em reais, algo perto de 1,8 trilhão.

E pensar que, na opinião de Sergio Moro, a refinaria de Abreu e Lima “não se pagava”…

O cineasta Fernando Meirelles, um dos que abraçaram a campanha em favor da Lava Jato e contra Dilma, disse outro dia que o pré-sal não valia mais nada… Bem, alguém avisa para ele que o petróleo refinado é hoje o principal produto de exportação dos Estados Unidos.

Segundo dados do Banco Mundial, a participação do item “fuel”, ou seja, de oleo diesel, gasolina e similares, na exportação total dos EUA, saiu de menos de 2% no início dos anos 2000 para mais de 11% em 2014.

O aumento da produção de derivados nas refinarias norte-americanas, como a de Pasadena, e tanto a sua exportação quanto sua venda para o mercado interno, foi fundamental para que os EUA reduzissem o seu enorme déficit no setor de energia. Observe como suas exportações de energia crescem enquanto suas importações caem.

Esses dados ajudam a explicar o golpe no Brasil. Os EUA financiaram, politica e finaceiramente, a Lava Jato, para que esta destruísse o setor de refino e infra-estrutura da indústria brasileira do petróleo. Com isso, o Brasil não oferece mais risco de ser um exportador de derivados de petróleo, concorrendo com as empresas norte-americanas.

Além disso, com o cancelamento, desativação, suspensão, das nossas refinarias, o Brasil passou a comprar quantidades crescentes de oleo diesel, gasolina e demais derivados, dos Estados Unidos.

 

 

Segundo o site World Exports, no item petróleo refinado (que é diferente de Petroleum products, que inclui uma gama mais vasta de derivados), os EUA figuram como os maiores exportadores mundiais. Em 2016, os EUA exportaram US$ 64 bilhões de petróleo refinado, ou 13% do total mundial.

Em segundo lugar vem a Russia, que exportou US$ 46 bilhões em petróleo refinado.

 

 

Loading...

quarta-feira

9

agosto 2017

57

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

57 COMENTÁRIOS

  1. xiko
  2. Juarez Lagimar de Souza
  3. Fernando de Roque
  4. Ines Martins
  5. Julio
  6. Andréa Barranqueiros
    • LUIZ CLAUDIO
  7. Carla
  8. LUIZ CLAUDIO
  9. Jorge Milan
  10. Yvette Teixeira