O Cafezinho

sexta-feira

14

julho 2017

13

COMENTÁRIOS

Fracasso do golpe: PIB cai 0,5% em maio, muito acima do esperado

Escrito por , Postado em Redação

O Banco Central divulgou hoje de manhã a prévia do PIB. Segundo o índice, a economia caiu muito mais do que o previsto: 0,51% de queda sobre o mês anterior.

O mais incrível é que o “mercado” recebeu a notícia com otimismo e a bolsa de valores de são paulo está em alta.

Esse é o Brasil do golpe: o desemprego cresce, milhares de lojas fecham, indústrias suspendem atividades, o déficit fiscal atinge recorde, a polícia federal para de emitir passaportes, a polícia rodoviária federal não tem mais recursos para combustível, cientistas denunciam, em audiência no senado, o corte dramático dos investimentos em pesquisa, os investimentos públicos e privados desaparecem, servidores de vários estados estão há meses sem receber salários, a ONU anuncia que o Brasil está retornando ao mapa da fome, o PIB desaba mês a mês…

Mas… os mercados, ah, os mercados, eles estão… otimistas!

Eu fui no Infomoney, para ver a opinião do “mercado”. O título da notícia sobre a queda do PIB resume o que estou dizendo: “Prévia do PIB” indica nova recessão em maio, mas uma notícia anima o mercado”.

É um título misterioso. Uma notícia anima o mercado…

Que notícia?

Eu li a reportagem três vezes e não encontrei a tal notícia.

Há, sim, a opinião de um economista do Goldman Sachs, que diz que as coisas “vão melhorar”.

Acontece que o Goldman Sachs, assim como outros, são os mesmos que previram retomada da economia brasileira após o impeachment. E não aconteceu. Foram os mesmos que previram números melhores para o PIB de maio, que também não se confirmou. Nenhuma previsão deles se confirma, mas quem liga?

O importante deixa de ser a economia real, o emprego, a produção, e sim, exclusivamente, a análise do “chefe de pesquisa econômica para América Latina” do Goldman Sachs.

O fato dessas instituições terem dado prejuízo de trilhões de dólares para o mundo, com suas análises criminosamente equivocadas da conjuntura econômica anterior à crise dos subprimes, isso também parece não vir ao caso.

Entramos definitivamente numa era de pós-verdade, em que o que importa não são mais os fatos, mas o simulacro da mídia.

A pós-verdade nasce de um acordo ideológico, utópico, fanático, entre o mundinho da “técnica”, os neomandarins da economia mundial, e a mídia.

A diferença entre países pobres e ricos é que governos de países ricos costumam não dar bola para os palpites dos homens de “mercado”, e por isso reduzem juros, ampliam investimentos públicos, defendem suas empresas, e aumentam recursos para pesquisa e infra-estrutura. É apenas nos países pobres, que mais precisam de investimentos públicos, que o discurso técnico da “austeridade” é seguido ao pé da letra, e a razão é exatamente a debilidade política de seus governos.

É claro que, em algum momento, a economia voltará a crescer, mas os brasileiros não vivem de PIB e sim de emprego.

Para haver empregos, contudo, é preciso recuperar a atividade industrial. Como fazê-lo, se o governo (cumprindo ordens da Lava Jato) suspendeu o investimento público, e se os empresários que apoiaram o golpe preferem o dinheiro fácil do rendimento com juros?

A previsão oficial do BC para a atividade doméstica em 2017 é de avanço de 0,5%, de acordo com o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) publicado em junho. O número frustrante de maio deve fazer o BC rever sua estimativa.

sexta-feira

14

julho 2017

13

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 COMENTÁRIOS

  1. C N Morais
  2. MARLENE
  3. Clá
    • Miguel
      • Clá