O Cafezinho

segunda-feira

17

outubro 2016

23

COMENTÁRIOS

O vídeo da palestra de Lula em Angola desmoraliza a denúncia do MPF

Escrito por , Postado em Golpe, Justiça, Lava-Jato

Por Pedro Breier, correspondente policial do Cafezinho

Os delírios dos procuradores do MPF em sua alucinada perseguição a Lula ficam cada vez mais evidentes.

A teoria da acusação é a de que as viagens do ex-presidente para ‘proferir palestras para empresários e agentes de governo estrangeiros, com o propósito de intensificar as relações comerciais/econômicas/empresariais entre o Brasil e tais países, tarefa que o próprio LULA, em declarações prestadas a este órgão, classificou como “natural” e “normal”, vez que assemelhadas a tarefas realizadas igualmente por outros ex-chefes de Estado do mundo inteiro’ seriam apenas um pretexto para arranjar negócios para a Odebrecht.

Para sustentar a teoria, o MPF diz que a Odebrecht disfarçava os pagamentos a Lula como remuneração por palestras. Leiam este outro trecho da denúncia (íntegra aqui):

Todavia, apesar de formalmente justificados os recursos recebidos a título de palestras proferidas no exterior, a suspeita, derivada inicialmente das notícias jornalísticas, era de que tais contratações e pagamentos, em verdade, prestavam-se tão somente a ocultar a real motivação da transferência de recursos da ODEBRECHT para o ex-Presidente LULA. As palestras, na realidade, seriam o meio utilizado pela empresa e pelo ex-Presidente para escamotear o mecanismo de “compra e venda” da influência exercida por LULA tanto em face dos órgãos de governo brasileiros (mercê de sua condição de ex-Presidente) quanto em face de governos estrangeiros com os quais o Brasil tivera e conservara boas relações (a exemplo de Angola, Cuba, Venezuela, etc), a fim de permitir à ODEBRECHT angariar contratos de obras de engenharia nesses países, mediante financiamentos a serem concedidos pelo BNDES, em decorrência de seu programa de financiamento à exportação de serviços a ente público estrangeiro.

É realmente incrível a simbiose entre a mídia corporativa e a Lava Jato: reparem que a suspeita é ‘derivada inicialmente das notícias jornalísticas’.

Uma mídia reacionária, manipuladora, golpista, lança uma suspeita qualquer através de seu jornalismo tosco e o MPF, a partir disso, produz uma denúncia delirante, mas que dá uma contribuição substancial para o clima de linchamento político de Lula que precisa ser produzido para que uma eventual prisão do ex-presidente possa ser sustentada.

A menção apenas a Cuba e Venezuela, quando a Odebrecht realizou obras em diversos outros países, dá uma pista das motivações ideológicas por trás de todo esse circo.

Em outros trechos da denúncia o MPF afirma que as palestras foram uma ‘cortina de fumaça para encobrir o real intento das viagens’ e que a Odebrecht não comprovou a efetiva realização das palestras. A denúncia fala ainda em ‘palestras supostamente proferidas em Angola’.

Na última sexta-feira, dia 14, a página de Lula no Facebook postou um vídeo de um trecho de uma das palestras ‘supostamente proferidas em Angola’, além do áudio completo, e ironizou: ‘Segundo o Ministério Público Federal, essa palestra que aconteceu em 7 de maio de 2014, em Luanda, Angola, não existe.’

Procurei na velha mídia a notícia da divulgação do vídeo por Lula, que evidentemente desmoraliza a denúncia do MPF, mas não encontrei ‘notícias jornalísticas’ sobre o fato fora dos sites e blogs progressistas.

Não vem ao caso, não é?

O circo tem que continuar pegando fogo.

segunda-feira

17

outubro 2016

23

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

23 COMENTÁRIOS

  1. sal
  2. VILSON DA SILVA
  3. Maurício Reynaldo
  4. DHG
  5. Paulo Zeka
  6. Matthias
  7. Troll Dansa
  8. Torres
  9. Marcelo Mendes
  10. C.Pimenta
    • Rosa
  11. Maria Aparecida Lacerda Jubé
  12. Ocomentarista Tcomment
  13. adelson lima
  14. Jader Martins
    • Galvão
      • Jader Martins
  15. nelodecarvalho
    • Rodolfo Teixeira Martins
      • Miguel Araujo de Matos
      • DHG