Adalberto Cardoso: "Esta eleição reinaugura a disputa política" - O Cafezinho

O Cafezinho

sábado

7

junho 2014

2

COMENTÁRIOS

Adalberto Cardoso: “Esta eleição reinaugura a disputa política”

Escrito por , Postado em Eleições 2014



Não é difícil entender porque a mídia, mesmo com todo o dinheiro do mundo, tem dificuldade para encontrar nomes novos.

Elegem-se alguns especialistas e os jornalões todos passam a falar apenas com estes.Lembro-me que, durante um bom tempo, Roberto Romano, professor de Ética na universidade de Campinas, era a figurinha mais fácil da imprensa: só dava ele, nos jornais, na rádio, na tv, como se fosse a única pessoa que entendesse de “ética” e “corrupção” no Brasil. A razão era simples: Romano fora treinado para falar mal do PT.

Entre os profissionais, o incesto é diário e crescente. Colunistas da Folha se tornaram âncoras da Globonews. Um blogueiro da Veja ganhou mais um trabalho na TV Cultura, mais que nunca aparelhada pelo PSDB, e outro se tornou comentarista da Jovem Pan, rádio que integra o sistema midiático tucano. Repartem-se os mesmos colunistas, como Gaspari, Marco Villa, Demetrio Magnoli, Reinaldo Azevedo, como se não houvesse outros. Está tudo dominado.

Quando a imprensa decide sair um pouco da “casinha” e entrevistar nomes diferentes, perde-se o controle. A gente vê isso de vez em quando em programas de entrevista na Globonews.

Aconteceu isso agora com essa entrevista da Folha com Adalberto Moreira Cardoso, um sociólogo da UERJ. A análise dele é primorosa e a gente fica a pensar: onde estava esse cara antes? Por que tão raramente entrevistam pessoas assim?

Cardoso analisa a conjuntura política, fazendo comentários francos sobre todos os candidatos.

Sobre o Aécio: “(…) Essa eleição reinaugura a disputa política propriamente dita. O PSDB, que agia de maneira errática nas últimas três eleições, está claramente com um projeto mais definido, mais conservador, mais à direita, definindo um eixo de retomada de um projeto que foi bem-sucedido no primeiro mandato de FHC. Mas que fracassou no segundo mandato. O que o Aécio tem afirmando é o projeto do segundo mandato de FHC.

(…)É de voltar às políticas de FHC. Seu possível ministro da Fazenda é Armínio Fraga, um dos responsáveis pela grande fragilidade do Brasil no segundo mandato do FHC. Ele colocou o Brasil numa rota de dolarização da economia num momento em que a dolarização já tinha destruído a economia da Argentina. Ele está fazendo o programa do PSDB, baseado nas políticas neoliberais de financeirização da economia.”

Sobre Campos: “(…) É uma oposição que saiu do governo, uma candidatura de oportunidade. Com a saída de Lula da disputa, ele se sentiu livre para, entre aspas, trair o seu aliado principal. Entre aspas porque a lealdade dele era em relação à pessoa de Lula, não ao partido. Uma aliança típica das oligarquias no Brasil. Ele, como filho de oligarca, agiu como tal. É perfeitamente legitimo. Foi um movimento oportunista, assim como foi oportunista a aliança com Marina Silva, com quem ele não tem a menor afinidade ideológica.”

O cientista identificou um movimento que temos notado por aqui, a ruptura crescente entre Aécio e Campos, motivada pela disputa pela vaga no segundo turno.

“Eduardo Campos sabe que a única possibilidade de ir para o segundo turno é destruir Aécio. O inimigo de Campos não é Dilma; é Aécio.”

Eu só discordo de Cardoso num ponto. Ele acha, por exemplo, que no segundo turno, Campos tenderá a apoiar mais Dilma do que Aécio. Acho difícil que isso ocorra, até por conta da pressão da mídia. Qualquer lua de mel entre Campos e mídia será desfeita imediatamente se o ex-governador aderir novamente ao PT. Pipocarão escândalos diariamente contra sua gestão em Pernambuco.

(Atualização: notinha publicada na coluna do Jorge Bastos Moreno vai na mesma linha da opinião de Adalberto. Diz a nota que “Lula mandou o PT amenizar suas críticas ao candidato Eduardo Campos para facilitar o apoio dos socialistas, na eventualidade de segundo turno. É que, ao enfatizar suas diferenças com Aécio Neves, Campos tem reafirmado também que qualquer aliança no segundo turno será dentro do seu quadrado. E o seu quadrado é o PT.”)

Cardoso expôs, na entrevista, uma teoria interessante sobre os juros. Não sei até onde ele está certo, mas me parece bastante plausível.

Trecho sobre os juros: “Quando a taxa de juros chegou num patamar que todos, inclusive a Fiesp, saudaram como uma taxa civilizada, juros reais de 2%, todo mundo começou a aumentar preço. Porque o empresariado no Brasil deixou de investir quando a taxa de juros ficou muito baixa, ao contrário do que acontece no mundo inteiro. No mundo inteiro, quando a taxa de juros está muito alta, os empresários não investem. No Brasil é o contrário: os empresários investem com taxa de juros alta, porque ela reduz o risco do investimento. Por incrível que pareça! Quem financia o investimento no Brasil é o BNDES, o investimento é com juros subsidiados. Com taxa de juros alta, os empresários podem ganhar no mercado financeiro. O que ajuda a segurar preço não é o fato de que a demanda é contida pelos juros altos. Porque os empresários compensam os preços das mercadorias ganhando no mercado financeiro. Não é preciso aumentar preço: eles estão ganhando em outro lugar. Quando a taxa de juros cai, a primeira atitude do empresário que começa a perder dinheiro no mercado financeiro é aumentar preço ”

1hh7ek.jpg

Loading...

sábado

7

junho 2014

2

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 COMENTÁRIOS